10 de maio de 2013

Você tem nomofobia?

Tornou-se corriqueiro ouvir lamúrias e assuntos íntimos da pessoa ao lado falando ao celular no metrô, ônibus, rua, shopping, consultório etc. Posso dizer que a tecnologia celular mudou muito a nossa vida. Quando menciono 'mudou', quero deixar claro com isso que foram mudanças favoráveis e outras tantas desfavoráveis. Proporcionalmente, acredito que estamos em desvantagem...

Estamos vivendo uma realidade substancialmente alterada de forma intensa. Hoje temos mais aparelhos celulares do que habitantes. Segundo a Anatel, a quantidade de linhas de celulares habilitadas no Brasil está próximo de 263 milhões. Isto quer dizer que há mais linhas do que habitantes!

É inquestionável que a tecnologia faz parte de nossas vidas quase que integralmente. Com um aparelho celular moderno podemos pagar contas, localizar endereços, tirar fotos, falar com amigos, enviar mensagens, mandar e-mails, despertador, calendário, fazer compras, check in de viagens etc. Sim nossa vida ficou mais fácil. Seria exemplar se usássemos o tempo que teoricamente economizamos para socializar com amigos, família, namorado(a), mas infelizmente isso não acontece. Já presenciei inúmeras vezes, principalmente em aeroportos, várias famílias ou casais conectados à internet ao mesmo tempo, apenas sentados próximos. A distância sentimental é animalesca! Estão conectados com outro mundo e ao mesmo tempo ignorando a pessoa que está a seu lado. Nem estou falando na falta de educação e deselegância!

Aquelas pessoas que sentem necessidade de estarem conectadas o tempo todo e não desgrudam do celular nem para ir ao banheiro ou dormir, têm algum problema e/ou desconforto psicológico interpessoal de adaptação ao mundo real. A maioria pensa, inconscientemente, que se não estiver on line poderá perder muitas coisas. Sim, este é o raciocínio de quem é viciado: sempre encontra desculpas para justificar seus comportamentos. A quantidade de pessoas nesta situação é tanta que até criaram um nome para esta 'fobia'. Veio do inglês: 'no mobile' ou algo como "no-mo" (+ phobia), que se transformou em nomofobia, isto é, medo de ficar sem acesso móvel!

E os chamados 'dependentes da tecnologia' perdem facilmente o autocontrole e, inevitavelmente, trocam a companhia de amigos por um dedilhar constante e sorrisos solitários diante da tela do smartfone. É a chamada válvula de escape, onde o viciado afasta-se temporariamente de seus problemas e de suas aflições pessoais. Mergulha em uma realidade paralela, uma vez que a sua vida 'real' é sem sentido e desprovida de valores.

Um mundo de solitários e viciados... rumo à solidão existencial!


Um comentário:

  1. Concordo com você. boa abordagem. Eu estou ficando com fobia de ter que usar mobile ou internet nos últimos tempos.

    ResponderExcluir

Agradeço o seu comentário, é sempre bom exercitarmos a nossa melhor e mais eficiente qualidade: comunicação!
Forte abraço,
Flávio