2 de outubro de 2011

A árvore da Vida

É interessante como o diretor Terence Malick consegue nos extasiar já nos primeiros instantes que sua obra "A árvore da vida" (The tree of life, EUA, 2011) abre a tela. Tudo parece desconexo - para quem está acostumado a assistir filmes com narrativas lineares. Tira-nos o conforto do óbvio.

O enredo gira em torno de uma família texana na década de 50. Brad Pitt faz um pai durão e exigente, casado com uma linda e carinhosa dona de casa interpretada pela atriz Jessica Chastain. O nascimento dos 3 filhos homens dá o desfecho dramático ao exibir as etapas de sua educação e desenvolvimento.

A filme vai e volta no tempo, constantemente, fazendo com que o telespectador desatento se perca facilmente e sinta-se frustrado no entendimento da história. As imagens da natureza exemplificadas na figura de dinossauros, estranhos seres marítimos, universo e suas luzes, explosões vulcânicas e solares, é de tirar o fôlego e deixar qualquer um relaxado e pensativo na poltrona do cinema.

É um filme para "meninos" sobre meninos... é impossível assistir às cenas e não se identificar com o universo no qual elas foram retratadas. Algo mágico, reminiscente e altamente nostálgico vem à tona. Uma drama bem escrito, equilibrado e bem dirigido onde excelentes cenas geradas ao acaso - principalmente com os bebês - tão um tom de realidade absurda.

É uma obra para ser sentida, admirada e não para ser explicada ou racionalizada!

Um comentário:

  1. Esse filme foi terrívelmente criticado, pelas bandas de cá (Goiânia)... muitas pessoas relataram que jogaram dinheiro fora ao entrar no cinema. Fui ver, mesmo depois de ler tantas críticas. Pois, meu pensamento é de que, se for para gostar ou não, será por meu ponto de vista! Só tenho a dizer que não me arrependi. Simplesmente belo, forte, intenso...

    ResponderExcluir

Agradeço o seu comentário, é sempre bom exercitarmos a nossa melhor e mais eficiente qualidade: comunicação!
Forte abraço,
Flávio