6 de abril de 2010

Filhos do Paraíso



É fácil fazer um filme com milhões de dólares disponíveis em conta, mais ainda se pudermos usar tecnologia de ponta. Agora, retratar o "real" e o simples, como ele é, não se torna uma tarefa fácil. Fico admirado quando vejo um filme de baixo orçamento que retrata o humanismo e o valor da solidariedade humana com tanta eficiência!

O Irã mereceu destaque com seu belíssimo filme "Filhos do Paraíso" (Bacheha-Ye aseman, Irã 1997), onde retrata uma história simples, recheada de sutileza e comovente por natureza. É capaz de enaltecer a pureza e a inocência de um casal de irmãos, Ali e Zahra, qualidades tão raras hoje em dia. Ambos quase não vivem a infância por não terem tempo para brincar, pois estão sempre atarefados ajudando os pais nas tarefas domésticas. Isso tudo sem abandonar a escola. Ali é um aluno exemplar. Sua irmã uma menina de excelente comportamento.

O drama dos graciosos irmãos começa quando Ali perde os sapatos da irmã enquanto os trazia do conserto e pede a ela para não contar aos pais (excelente interpretação do garoto). Ambos passam a dividir o tênis de Ali para irem à escola, resultando numa sequência de cenas tensas e recheadas de aventura. A correria de Zahra ao sair da escola para ir ao encontro de Ali e entregar-lhe o tênis merece aplausos. Não apenas pela técnica impécável da filmagem, mas pela capacidade que a mesma tem de nos deixar tensos - assim como os personagens naquele momento.

O par de tênis, assumindo o papel de protagonista, divide com os talentosos atores mirins a eficiente missão de nos fazer pensar, repensar e reformular nossos valores morais, éticos e sentimentais. Tudo gira em torno dele, até mesmo o desfecho final com sua excelente tomada dos pés (descalços) de Ali. Impossível terminar de assistir ao filme e não fazer inúmeros questionamentos de valores. Um filme digno, sem as pirotecnias modernas, mas capaz de arrebatar qualquer coração ressecado. Um filme que merece um lugar garantido na prateleira de qualquer residência, pelo menos naquela onde os pais priorizam uma educação EXCELENTE e essencialmente digna para com os seus filhos.

Um comentário:

  1. Ótimo filme para assistir em família e para refletirmos se o excesso de coisas que damos aos nossos filhos..Talvez estamos privando-os de lições de generosidade e solidariedade...

    ResponderExcluir

Agradeço o seu comentário, é sempre bom exercitarmos a nossa melhor e mais eficiente qualidade: comunicação!
Forte abraço,
Flávio