27 de março de 2009

Vinda


Ao meu desejo, eu reverencio
A dor da perda, ultrapasso
A fome e o cio, sacio
Ao coice do destino, sublimo
A secura do olhar, embriago
A vontade carente, aprisiono
Ao medo da solidão, isolo

Vida
Morte
Vim da morte
Vinda morte
Vi a morte vindo
Morte
Vida
Movida à morte.

Por que a morte me espera?
Não tenho saída, somente entrada
Devo ver a luz no final do túnel, me disseram
Por que?

Quero saber
Preciso da certeza
Se é inevitável, quero ser sincero comigo mesmo:
_ Viver é morrer cada dia um pouco mais?
Será...?


04/maio/2002

Um comentário:

  1. Flavio!

    Morte
    Vida
    Movida à morte.

    É preciso morrer para RENASCER.
    Renascidos assistimos as mortes com sublimação e continuamos RENASCENDO a cada morte!
    Até quando?
    Até o fim!
    Abr. Cenira

    ResponderExcluir

Agradeço o seu comentário, é sempre bom exercitarmos a nossa melhor e mais eficiente qualidade: comunicação!
Forte abraço,
Flávio