10 de fevereiro de 2009

O 'ser'gnificado


Booooommmm e a luz estupra nossos olhos, penetra em nossa pele virgem! Nascemos...
Fatos, artefatos, memórias, rostos, cheiros, gostos, sensações, emoções...
Tudo isso fica cravado em nossa memória e carregamos - ou descarregamos? - a vida inteira!
Crescemos acreditando em fantasias criadas pelos adultos e posteriormente passamos décadas tentando nos desvencilhar de tanto lixo psicológico!
Quando criança temos um mundo infinito de possibilidades a ser desbravado.
Quanta energia, quanta força, quanto desejo!

Uma bola pode representar um planeta.
Uma brinquedo pode significar felicidade sem fim.
Uma lágrima assemelha-se a um rio.
Uma árvore pode ser uma floresta.
Um cheiro pode criar um vulcão de vontades.
Um olhar pode abranger uma luneta.
Um sorriso recebido pode ser um parque de diversão.
Um NÃO pode ser uma faca no peito.
Um beijo pode ter gosto de queijo com goiabada.
Um carinho ao dormir pode ser nuvens de algodão.
Um presente no Natal é um Hopi Hari particular!

Médico, escola, faculdade, trabalho, namoro, sexo, bebidas, amigos, responsabilidades, grana... nem sempre nesta mesma ordem, mas todos vêm!
Ocupam nossa mente, nosso corpo e nosso tempo.

Uma bola não passa de um pedaço de couro costurado.
Uma luva idem, apenas formato diferente.
Uma lágrima pode ser culpa ou arrependimento.
Uma árvore serve, no máximo, para dar fruto ou sombra.
Um cheiro pode ser da poluição, suor ou lixo.
Um olhar é sedução, sexo ou ambos.
Um sorriso é desconfiança na certa.
Um NÃO é charminho ou frustração.
Um beijo é um preâmbulo sexual.
Um carinho é introdução para o beijo.
Um presente é uma obrigação.

E passamos o resto da vida em busca do começo e esquecemos de viver o ‘meio’.
E tanto o passado como o futuro, por serem inatingíveis, nos tiram a vontade de viver o presente.
Lá vem terapia para entender – ou desvendar - o passado, viver bem no presente para garantir o futuro.
Rápido, corra, você está atrasado.... nem deveria parar para ler este artigo! Que coisa...!

Tic-tac... tic-tac...!

Um comentário:

  1. Flávio!

    Que lindo o que brotou aí!

    Eu consigo escrever aqui, absorver cada palavra escrita ,porque fazem mais que uma década que jogo lixo fora.
    E continua a jogar e SOU TRISTE!
    Vou continuar TRISTE e Jogar lixo fora, sempre mais.
    Somente jogando os meus lixos, ficarei leve para suportar mau-cheiro, podridão, sedução,
    frustração dos lixos que perdurarão.

    "Um NÂO é um charminho ou frustação"
    Tenho aprendido muito com os NÃOS. Ele se transformam em SIM. Sim porque Saem toneladas de LIXO Que estavam embargados, podres, insuportáveis. depois de me lambuzar e quase me afogar nesse lodo de lixo, eu saio, vou tomar banho de cachoeira, cascatas e rios. e nem perfume uso. A a água é pura,ristalina, natural e acaricia minha pele macia. Que alívio!
    Prefiro a TRISTEZA lendo o que leio de ti
    A continuar com os lixos muito mais TRISTE.

    Parabéns!!!
    Um abraço

    ResponderExcluir

Agradeço o seu comentário, é sempre bom exercitarmos a nossa melhor e mais eficiente qualidade: comunicação!
Forte abraço,
Flávio