12 de janeiro de 2009

Desejo e Reparação



Em nosso dia-a-dia quase sempre fazemos as coisas automaticamente, sem pensar na consequência de cada atitude.

Num momento de raiva podemos ofender uma pessoa querida; num momento de descuido podemos destruir uma amizade valiosa; num momento de tristeza podemos cometer um ato irresponsável...

Algumas vezes temos a oportunidade de voltar atrás e corrigir o erro cometido, mas em muitas vezes isso não acontece! Temos que conviver para sempre com o arrependimento, o tormento e a angústia. Diria que é mais fácil buscarmos ser uma pessoa melhor em nosso dia-a-dia cultivando uma atitude preventiva diante de possíveis erros do que corrigir uma atitude errada depois de já feita.

Fiquei pensando em tudo isso quando assisti ao filme "Desejo e Reparação" (Atonement, EUA 2007) que fala do drama que envolve uma família de classe alta inglesa. A história começa em 1935, no dia mais quente do ano na Inglaterra, Briony Talles (Romola Garai) e sua família se reúnem para um fim de semana na mansão familiar. O momento político é tenso, 2ª Guerra Mundial, e, em meio ao calor opressivo, emergem antigos ressentimentos. Cinco anos antes, Briony, então aos 13 anos, usa sua imaginação de escritora principiante para acusar Robbie Turner (James McAvoy), o filho do caseiro e amante da sua irmã mais velha Cecília (Keira Knightley), de um crime que ele não cometeu. A acusação na época destruiu o amor da irmã e alterou de forma dramática várias vidas.

O filme reforça a idéia de que nossas atitudes podem destruir ou construir o nosso futuro e o das pessoas ao nosso redor. Você tem a chance de escolher, usando a ferramenta mais eficiente de que dispomos: a palavra.

Um comentário:

  1. Flávio!

    Meus cumprimentos pelas escolhas felizes dos Temas e fotografias. (sensibilidade pura)!

    Para escrever aqui é preciso ter DESEJO. E tenho que assumir a responsabilidade das ações do meu DESEJO. Toda ação gera reação: Posso ser aplaudida, vaiada ou passar indiferente . Os aplauso sempre serão bem vindos .Como reagir diante as vaias ou a indiferença? Posso escolher levar AMOR ou ódio...
    O ideal seria viver com equilíbrio, temperança. Se acontecer de magoar quem amo.(incondicional ou não) Vou procurar trabalhar para não repetir e tomar como apendizado. E a maior prova serão as minhas ações.
    O Futuro de ontem é o momento aqui que estou escrevendo. É a forma que encontro de me abraçar, me amar para também estender meu amor, meu abraço a todos das minhas relações.
    Uma pessoa mais saudável na sociedade faz a diferença.
    "A ferramenta mais eficiente de que dispomos: a palavra" Escrita, falada. Corretíssimo!!
    Parabéns por um todo!
    Cenira

    ResponderExcluir

Agradeço o seu comentário, é sempre bom exercitarmos a nossa melhor e mais eficiente qualidade: comunicação!
Forte abraço,
Flávio